sábado, 24 de janeiro de 2015

XII ENCONTRO DO GRUPO CRISTAL- ESPAÇO GOURMET PARTICULAR.

Gilson Araújo Jr., Sílvia Feiner, Emilia Leandro e Fatima Carvalho.

Depois de uma verdadera perigrinação pelos Restaurantes da cidade, passando duas vezes pelo Manggiamo, seis vezes pelo consagrado Le Pré-Catelan, com o Chef Roland Villard... Uma Visita ao Restaurante Paludo Gourmet, do outro lado da Baía, uma visita ao italiano Da Brambini, uma passagem intermediária pelo Fasano (na degustacao do La Tâche) e, finalmente, o Encontro de Dezembro de 2014, desta vez no Espaço Gourmet da Residência do Casal Marcus Vinícius e Georgeana Rezende...

Emilia, Agostino, Vinicius, Angélica, Dantas (atras) e Silvia.

Os Vinhos foram sendo garimpados pouco a pouco, pelos confrades que palmilham o Mundo, desde os Tempos do Vinho de Torna Viagem e já tivemos a oportunidade de degustar os tão decantados Champagnes Cristal, branco e Rosé, Belle Époque, Dom Pérignon, Krug, Salon; os vinhos tranquilos Cheval Blanc (por dois Encontros), Petrus, Chateau Haut Brion, La Tâche, Amarone Quintarelli Giuseppe, Puligny-Montrachet, Madeira Barbeito (1944 e 1963), o Vega Sicilia Unico, o Tignanello, Château Margaux, o Grand Vin de Chateau Latour, Chateau Lafite Rothschild, Grand Cru Searing Riesling, o Hermitage Blanche, os doces Estate Bottled Riesling Eiswein Vat 46 e o imbatível Sauternes Chateau d´Yquem, em duas ocasiões...


A Confreira Sandra e Sidney Rodrigues sempre irradiando Energia.

Nesse Encontro de Dezembro último, repetimos o formato do Primeiro, de saudosa lembrança, que ocorreu no Espaço Gourmet do Prédio do Confrade Paulo Lantelme, com a mesma Chef Ana Salles, que nos preparou um saboroso Menu. Mas os vinhos não foram os mesmos, com exceção do Cristal, nem os Pratos, que se constituíram num novo Cardápio.


Emilia Leandro acompanha a Decantação do Cheval Blanc.

O Grupo sofreu modificação, depois da irreparável e precoce perda do saudoso Confrade Bené e do luto sofrido pela saída de cinco Membros, ocorrido a seguir. Continuamos, a partir de então, com o número de doze. Houve outra mudança, passando o Grupo a realizar dois Encontros Anuais, um em julho, mais simples e o outro, em dezembro, "au grand complet". 


Ao centro, a minuciosa Chef Ana Salles Finaliza o Coquetel.

Apesar das Perdas referidas, o Grupo Cristal fez mais esse Encontro eivado de grande júbilo, com todos podendo acompanhar a minuciosa Elaboração dos Pratos e o competente Serviço dos Vinhos. O Espaço é muito bem equipado e os Anfitriões estão de Parabéns!


O Competente Sommelier, em sua Labuta Solitaria e Silenciosa.


Os Preparativos para Finalizar e Liberar as Sobremesas.


O Anfitriao Marcus Vinicius, a Chef Ana Salles e Emilia.


As Sorridentes e Alegres Confreiras Silvia Feiner e Sandra.


Os Trabalhos se iniciam, com Agostino Carletti em plano destacado.


A Competente e Criativa Chef Ana Salles, no Centro da Equipe.


Silvia exibe o Ornamento da Mesa, que combina com o Vestido.


Aqui, a Mesa do Grupo Cristal, esmeradamente decorada.


O Menu, cuidadosamente Elaborado pela Chef.


As Saborosas Cocas de Jamon com Tomates Assados.

As Tortillas de Batatas com Cebolas Carameladas nem passaram pelas narinas do Escriba e nem foi possivel captar a imagem! Creio que agradaram aos Esfaimados Confrades, que as divoraram num ímpeto bravio.


As Croquetas de Camarao, para acompanhar o Espumante.


A Entrada Escolhida por mim foi esse excelente Prato de Lagostins.


Uma das Escolhas de Prato Principal foi Vaca Atolada, nessa
Nova Leitura da Chef Ana Salles. Quem pediu elogiou!

Devo agradecer ao Confrade Paulista Agilson Gavioli, com o qual tive a oportunidade de conviver no Vamos à Montanha, por ter sugerido esse Prato a Emilia Leandro, como um Prato que harmonizaria com o Cheval Blanc. Apesar de representarem duas espécies distintas, Bovino e Equino, dizem que ficou perfeito, sem que a Vaca berrasse com o Cavalo Branco.


E agora o Meu Divino Cordeiro. As Costeletas Grelhadas. 
Dizemque o melhor casamento com cordeiro é o Chateau 
D`Ausone. Esse ficou Perfeito com o Chateau Cheval Blanc.


O bom e Digestivo: "Sobert" de Maracujá com Cachaça.


Para Antes da Sobremesa, Foie Gras e o Chateau d`Yquem.
Casamento Classico, que dispensa comentarios.


Fudge de Chocolate foi a milnha Escolha como Sobremesa,
com bom casamento com o Porto Vintage.

Outra Escolha de Sobremesa foi Tartelete de frutas secas com 
Sorvete de Creme.

Suspiros Recheados, para Acompanhar o generoso Expresso.


Expresso encorpado, para animar o final do "Repas".


As Duas Garrafas de Champagne Cristal, esperam ansiosas,
pelo seu momento de Brilho.


 "Desfile" das Garrafas dos Portentosos Vinhos desse ano.


A Generosa Cava Benito Escudero Brut.


Champagne Cristal Brut 2005, 12 % Vol., de 
Louis Roederer, France, Reims.

No Nariz: Aromas de frutas cítricas, harmonizando-se com notas de frutas vermelhas, como morango e cereja. Leveduras e sutis aromas de amêndoas. Evolui com ligeiras notas de tostado. Na Boca: Vinho redondo e potente, mas de grande delicadeza e frescor. Deixa a boca cremosa e ampla, com final longo e fresco.

Château Cheval Blanc 1998, de Chateau Cheval Blanc, Ier. Grand Cru Classé, St. Émilion (Appelation Saint-Émlion Grand Cru Contrôlée) - Mis en Bouteille au Château - S. Civile du Cheval Blanc, H. Fourcaud-Lussac - Proprietaire a St.-Émilion (Gironde) - France.

Elaborado com as castas Merlot e Cabernet Franc. De bela cor rubi, com reflexos violáceos. Aromas de baunilha, porém revelando um agradável frutado e algo herbáceo... Cereja, um adocicado, pistilo de flores, de gineceu... Frutas em compota. No fundo de copo, salientaram-se aromas de evolução, como couro, tabaco e pele de salame. Vinho bem encorpado, podendo evoluir bem por mais uns trinta, quarenta  ou mais anos. Harmonizou-se muito bem com o cordeiro, mas também se deu bem com a Vaca Atolada, segundo os que escolheram esse Prato.

Chateau d`Yquem 2003, de Chateau d`Yquem, 
Lur Saluces - Sauternes - France (Appellation 
Sauternes Controlée) Mis en Bouteille au Château. 

 Vinhos de bela cor Amarelo-Ouro, escuro, escorregadio, muito transparente e brilhante. Aromas de frutas maduras, frutas secas, mel e aromas de botrytis.


Burmester Porto Vintage 1997, Portugal, Douro, Porto.Touriga 
Nacional, Touriga Franca, Tinta Roriz, Tinta Cao, Tinta Barroca.

Vermelho profundo, com ampla auréola cor de tijolo. Fresco bouquet de fruta madura em compota, com traços de cereja, amora, ameixa e framboesa. Na Boca, é redondo, com boa intensidade e taninos bem presentes. Vinho com maravilhosa e aveludada textura, de final frutado, fresco e persistente. Harmonizou adequadamente com as Sobremesas. O Grupo agradece, com louvor, a Emília Leandro, que o agraciou com esse emblemático Porto.


O Anfitrião Marcus Vinícius regala o Grupo
com uma Cachaçca de Excelência.


Cachaçca Yaguara.

Fátima Carvalho não esconde a Emoção!

Segue-se uma sequência de fotos, com as Confreiras e os Confrades exibindo os lembranças dos vinnhos (troféus) conquistadas por Sorteio.


Confrade Marcus Vinícius - Anfitrião.



Confreira Georgeana - Nossa Anfitriã.



Sidnei Rodrigues, com a Caixa do Cristal.


Antônio Dantas, com a Garrafa do Cristal.


Confrade Agostino Carletti...


Confreira "FMI" Emília Leandro.


Confreira Sandra, com o seu Troféu.


Confreira e Chef Angélica Martins.


Confreira Anfitriã Georgeana, com a outra Garrafa.


Foto do Encontro de 2013 como homenagem póstuma ao 
Confrade Bené, de camisa branca, à direita.

O Grupo agradece efusivamente a todos os que colaboraram para o êxito de mais um Encontro, em especial a Emília Leandro e Fátima Carvalho (Diretoras do "FMI"), bem como a Angélica Martins, Sandra, Sílvia Feiner, Georgeana e Marcus Vinícius, ao Mestre Dantas e a todos os que a minha parca memória não conseguiu evocar. Um carinhoso agradecimento à Chef Ana Salles, que, com sua competente Equipe, conseguiu, mais uma vez, abrilhantar o nosso Grupo Cristal. Tenho dito!
.

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Des Amis du Mouton Degustam Portentosos Shiraz e o Grange 1991.

Iniciados os trabalhos desta noite dos Grandes Shiraz.

Conseguido o tão almejado Grange, depois das peripécias de um Próprio, encarregado de o garimpar pelas terras do Capitão James Cook, em Port Jackson, que teve que se deslocar de trem em uma viagem de 45 minutos até a grande Dan Murphy's, uma loja de vinhos que faz a Total Wine & More de North Miami parecer uma quitanda, eis que todos os Membros da Confraria "Des Amis du Mouton" estavam ansiosos para degustar esse ícone da Casta Shiraz. Dizem que é o melhor Shiraz do Mundo! Será que procede?


Hoje tivemos a grata visita do Sommelier Efraim Moraes.

Uma das perguntar que eu me fazia era como o Professor Roberto Rodrigues, que sugeriu esse vinho, iria conduzir a Degustação. Mais uma vez, Mestre RR teria que usar a sua incomparável criatividade, para apresentar ao Grupo uma Degustação de tão alto nível. E onde encontrar vinhos que fizessem paralelo ao Grange?


Caputo, Efraim, Leonardo e Márcio: Brinde aos Generosos.

Não se poderia falar no Grange sem mencionar o Dr. Chistopher Rawson Penfold, que aportou na região próxima a Adelaide, em Magill, nos idos de 1844 e plantou vinhedos de Grenache (em sua maioria, mas também cultivou Shiraz, Palomino, Muscat e Frontignac) nas terras de sua propriedade, chamada "The Grange". Como ficara consagrado entre os médicos, desde os tempos de Luiz XIV, esse engenhoso clínico prescrevia vinho, como um imprescindível tônico, aos seus pacientes.


O sommelier Efraim Moraes e o Confrade Leonardo Carvalho.

Após a sua morte, os herdeiros continuaram a tocar o negócio do vinho e fundaram, construindo a tradição da Pendolds, em 1911, no Vale do Barossa, uma Vinícola para ser a base das operações da Empresa, em sociedade com a Vinícola Magill. Hoje, a Penfolds faz parte da Southcorp, a maior empresa australiana.


Uma visão Panorâmica da Mesa de Degustação do Grupo.

As melhores uvas da Penfolds são provenientes do Vale do Barossa e conferem um estilo marcante aos seus vinhos, maduros, robustos, ricos em complexidade, com fruta madura, influência das barricas de carvalho e taninos domados, aveludados... Por vezes revelam-se em vinhos que envolvem de tal forma o véu do paladar, que temos a agradável sensação de verdadeiros vinhos que crescem na boca! Assim, o Grange é um "vinho de potência monumental".


A Confreira Cláudia Dacorso: Impressionada com os vinhos.

Essas características e a perenicidade de estilo dos vinhos da Penfolds se atribuem a que, desde os anos 50, em que Max Schubert (que concebeu a Seleção Grange) passou a comandar a Empresa, por lá passarm apenas quatro Enólogos.


Já mais para o final, Roberto Rodrigues serve o Espumante.

E os outros Shiraz des Degustação? Bem, os outros chegaram perto do Grange, como se pode deduzir da Pontuação dada por Roberto Rodrigues e obtida pela Média dos Membros do Grupo. Foi uma Degustação excepcional, servindo ditaticamente e aos fins hedonistas motivados pela generosidade do poderoso Baco.


Nesta tomada, os Quatro Portentosos Vinhos da Casta Shiraz.

Para o encantamento de todos, tivemos as contribuições da Márcia Parente, com os Fiambres e dois bons vinhos para o Final e do Sommelier visitante, também consagrado Chef, Efraim Moraes.

Patê da Campanha, "By"Efraim Moraes (Bistrô Ouvidor).


A seguir, um " desfile"  de fiambres, agraciado pela Marcia.







Delicioso Sal Trufado Maison Péreyre (Itália): Bom gosto 
da Márcia e deleite geral.


Azelia Barolo DOCG 2009, Luigi Scavino, Itália,
 Piemonte. Azeite trufado: Faz o sabor crescer!


Old Adam Shiraz 2010 Langhorne Creek, Bremerton, Austrália. 
Notas: RR = 92,0 e Média do Grupo = 92,1.


Syrah 2005 Vinho Regional Terras do Sado, Casa Ermelinda Freitas, Portugal, Lisboa.  Notas: RR = 93,0 e média = 92,8.


Cadus Syrah 2003, Bodegas Nieto Senetiner, Argentina, 
Mendoza.  Notas: RR = 91,0 e média = 91,2.


Grange Bin 95 1991, Penfolds, Austrália, Barossa Valley.
Notas: RR = 96,0 e Média = 94,1 com WS=95.

No Nariz, revela um rico "bouquet", com a  explosão de uma sinfonia de notas de frutas negras bem maduras, especiarias, tabaco, café, chocolate, pele de salame e chá verde, tudo muito bem balanceado com os aromas da passagem pela barrica de carvalho. Na Boca, temos um vinho de grande personalidade e elegância, complexo, estruturado, confirmando-se o que foi percebido pelo exame olfativo, com taninos domados e final longo. Ainda pode serguardado por muitos e muitos anos.


Azelia Barolo DOCG 2009, Luigi Scavino, Itália, Piemonte. 
 Nota: RR = 88,0. Agraciado pela Márcia.


Mas Rabel 2012, de Familia Torres, Espanha, Catalunya.
Agraciado pela Márcia.


Cave Geisse Blanc de Noirs Brut 2009, Familia Geisse, 
Brasil, Vinhos de Montanha. Nota: RR = 93,0.

O Mesa de Baco agradece a colaboração inestimável de Roberto Rodrigues no envio das Notas e de Comenentários sobre os vinhos degustados. A Márcia Parente e ao Efraim Moraes.